Descubra por que a marcenaria planejada faz a diferença nestes 18 projetos

A marcenaria sob medida é um grande trunfo para proporcionar mais funcionalidade aos ambientes. Confira as peças criadas especialmente para estes projetos

TEXTO BIANCA ALVES em 20 JAN 2020 – 20H55 ATUALIZADO EM 21 JAN 2020 – 14H31 via Casa e Jardim

Se você ainda tem dúvidas se vale a pena recorrer à marcenaria planejada, selecionamos 18 projetos inspiradores. Neles, as peças são pensadas sob medida para compor o projeto de decoração com beleza e funcionalidade. Confira!

Confira!

No centro do imóvel, um grande cubo azul, com estrutura de MDF Trama Sirena, da Duratex, abriga uma porta de entrada pivotante, opções de armazenamento, bar e adega. Entre o living e a sala de jantar, prateleiras de MDF Branco Diamante, da Duratex, se desdobram sobre um pilar. Projeto do escritório Conrado Ceravolo Arquitetos (Foto: Maíra Acayaba / Divulgação)

1. Cubo mágico
apartamento projetado pelos arquitetos Gabriel Ceravolo e João Conrado, do escritório Conrado Ceravolo Arquitetos, apresenta o máximo de soluções em uma só peça. No centro do imóvel (acima), um grande cubo azul, com estrutura de MDF Trama Sirena, da Duratex, abriga uma porta de entrada pivotante, opções de armazenamento, bar e adega. Na parte inferior, há gavetões, e, nas laterais, portas se deslocam conforme a função: para as bebidas, um sistema de travas é aberto com um clique. Entre o living e a sala de jantarprateleiras de MDF Branco Diamante, da Duratex, se desdobram sobre um pilar. Nos fundos da sala de estar (acima), um tampo de MDF com folha de carvalho-americano cria um home office acompanhado por um nicho do mesmo material usado nas prateleiras. As mesmas estruturas seguem para a sala de jantar (abaixo), criando um lounge gourmet. “A parte do jantar era estreita, por isso usamos o banco ao lado da mesa”, conta João. A peça foi executada pela Chaves Marcenaria.

No projeto do escritório Conrado Ceravolo Arquitetos, as mesmas estruturas do living seguem para a sala de jantar, criando um lounge gourmet (Foto: Maíra Acayaba / Divulgação)

Módulo multifuncional ajuda a ganhar espaço no apê de 35 m². Projeto assinado pela arquiteta Camila Stump (Foto: Pedro Napolitano Prata / Divulgação)

2. Pequeno e bem resolvido
No compartimentado apê de 35 m², a solução foi demolir paredes de alvenaria e instalar um módulo central multifuncional. “Reorganizamos os espaços. Na face voltada para a entrada, colocamos adega e ganchos. Em lados opostos, ficam o closet e a TV, e, na outra superfície, há um espaço para guardar utensílios de limpeza”, explica a arquiteta Camila Stump, que é sócia de Nabila Sukrieh no Estúdio Minke. O móvel é fixado no chão e no teto, com um recuo de 10 centímetros para valorizar o pé-direito. As aberturas das portas se revezam entre cavas escondidas, recortes na madeira e puxadores, dependendo para qual ambiente está voltada a face em que estão. A peça de MDF, revestido ora de Formica TX, ora de amadeirado Puerto Madero, da Pertech, foi executada pela Artfran.

Na suíte de 25 m², o armário de carvalho-americano serve como divisória entre a área da cama e o closet. Projeto do arquiteto José Guilherme Carceles, que assina junto com Diogo Luz, do Casa 100 Arquitetura (Foto: Gui Morelli / Divulgação)

3; Closet escandinavo
No lugar de dois quartos, este apê ficou com uma suíte de 25 m², que ganhou closet amplo. “Quebramos uma parede entre os quartos e usamos um armário como divisória”, conta o arquiteto José Guilherme Carceles, que assina o projeto com Diogo Luz, do Casa 100 Arquitetura. A madeira escolhida foi o carvalho-americano que remete à decoração escandinava. Do mesmo material é o painel atrás da cabeceira da cama, assim como as prateleiras acima dela. Tudo foi executado pela marcenaria Uzuni.

“Algumas vigas imprevistas no quebra-quebra podem receber folhas de madeira para disfarçá-las.””

Com marcenaria sob medida é possível misturar materiais, como carvalho e Formica verde pastel no projeto assinado pelo arquiteto Rafael Leão, do Studio 3.7 (Foto: Evelyn Müller / Divulgação)

4; Cristaleira colorida
Na contramão das tendências de ter cozinha e área gourmet em apartamentos, o arquiteto Rafael Leão, do Studio 3.7, uniu os ambientes em um só. A bancada serve tanto à cozinha, envolvida com armários, quanto à churrasqueira (que está depois da parede de tijolos aparentes). “O que marca o projeto é a mistura de materiais, com os gabinetes de carvalho e Formica verde pastel”, diz o arquiteto. Sem puxadores, a peça ganha um visual mais limpo. Do lado direito, a despensa tem um compartimento vertical grande. Já do esquerdo, a estante com porta de metal e vidro e prateleiras de carvalho é um elemento decorativo e, ao mesmo tempo, armazena ingredientes e utensíliosMarcenaria executada pelo Silva e Suzuki e serralheria pela Carvalho Estruturas Metálicas.

A estrutura de compensado naval tem rodízios na base e serve de estante e divisória. Projeto do escritório Stuchi & Leite (Foto: Maíra Acayaba / Divulgação)

5. Andando nos trilhos
Para tornar os ambientes flexíveis no apartamento reformado, o escritório Stuchi & Leite fez um projeto que incluiu a demolição de paredes e a criação de uma estrutura de madeira móvel. Com rodízios na base, a estante de compensado naval corre apoiada no teto por três metros de trilhos. Posicionada entre os pilares de concreto cruzados, divide os ambientes, e encostada na parede, deixa-os conectados. “O móvel acompanha a estrutura do apartamento”, diz a arquiteta Fabiana Stuchi, sócia de Carlos Leite. De um lado, há uma cama dobrável para hóspedes (abaixo), e do outro, livros (acima). Feitas pela Alison Moura Marcenaria, a estante tem acabamento de Formica branca nas laterais e a porta pivotante, na cor vinho.

Do outro lado da estante, desenhada pelo escritório Stuchi & Leite e executada pela Alison Moura Marcenaria, há uma cama dobrável para hóspedes (Foto: Maíra Acayaba / Divulgação)

“Na marcenaria planejada, qualquer volume pode agregar estética e ser um compartimento secreto.””

Ao encontrar uma viga durante a reforma, as arquitetas Cristina e Laura Bezamat, do Bezamat Arquitetura, contornaram o imprevisto com um pórtico de 55 cm de profundidade revestido de freijó com verniz, feito pela Mac Móveis (Foto: Denilson Machado / MCA Estúdio / Divulgação)

6. A cor da madeira
Ao reduzir o espaço de um dormitório para ampliar a suíte principal, as arquitetas Cristina e Laura Bezamat, do Bezamat Arquitetura, se depararam com uma viga. O imprevisto foi coberto formando um pórtico de 55 cm de profundidade, revestido de freijó com verniz acetinado, feito pela Malc Móveis. Ele delimita a área do home office e da televisão no quarto de 20 m². O freijó é o ponto de cor mais vivo de todo o ambiente e traz aconchego. “O pedido foi um cômodo todo clarinho, então a prateleira, a mesa e o gaveteiro são todos de laca branca”, explica Cristina.

Para disfarçar uma “cortina” de concreto descoberta durante a reforma, a solução do ecritório Pascali Semerdjian foi desenhar a estante em formato orgânico, executada pela Plancus. A peça virou o destaque do ambiente (Foto: Ricardo Bassetti / Divulgação)

7. Biblioteca das artes
Entre a sala e o escritório, uma “cortina”de concreto foi descoberta apenas durante o quebra-quebra. A solução dos arquitetos do escritório Pascali Semerdjian foi desenhar a estante em formato orgânico. “Não é uma biblioteca só para os livros, mas para obras de arte e acessórios. Também é um dos centros de iluminação do apartamento”, conta Sarkis Semerdjian. Fitas de LED iluminam o ambiente, já que o teto não permitia furos. De freijó e com prateleiras de cobre, o móvel executado pela Plancus tornou-se um elemento com mais de uma função, brilho e cor. Do outro lado da estante, um escritório segue o mesmo design de marcenaria.

Nichos de freijó se misturam à longa bancada de concreto, além do elemento ripado no teto. Projeto do arquiteto Rogério Shinagawa (Foto: Alain Brugier / Divulgação)

8. Aquece e esfria
Uma estante de dois volumes comporta TV, quadros e até uma janela. No projeto de reforma desta casa, o arquiteto Rogério Shinagawa usou os nichos de freijó na parte superior do móvel para aquecer o ambiente. Na inferior, ele criou um longo nicho de concreto, 7,20 x 0,50 m. De um lado, instalou gavetões com acabamento de laca cinza, e do outro, revestiu toda a área de tijolos refratários para proteger a marcenaria do fogo da lareira. “Com esses dois elementos, eu consegui dar horizontalidade para o conjunto da sala”, explica. Já o ripado do teto dá aconchego e delimita a área de estar no living. Esse forro fica suspenso nas laterais, onde corre uma fita de LED para a iluminação indireta. A parte da estante com nichos de freijó, 5,60 x 0,35 m, que também envolve a janela com uma moldura, foi executada pela Armajo Marcenaria.

Projetado pelo escritório Pascali Semerdjian, o apê de 60 m² ganhou marcenaria de pau-ferro que forma uma caixa centralizada e permite dividir as áreas do imóvel (Foto: Ricardo Bassetti / Divulgação)

9. Tudo em um só volume
apartamento de 60 m², projetado pelo escritório Pascali Semerdjian, ganhou marcenaria de pau-ferro que forma uma caixa centralizada de 3,70 x 3,20 m, executada pela Móveis Russo. “O volume absorveu elementos importantes. Ali há lavanderia, closet, escritório e quarto”, detalha o arquiteto Sarkis Semerdjian, sócio de Domingos Pascali. Ele explica que a solução apareceu depois de vários estudos da planta. Como o dormitório até então não tinha janela, eles desenharam a marcenaria para que o cômodo ficasse aberto para o home office, que pode ser isolado por uma persiana blackout, sem impedir a ventilação constante.

No projeto da arquiteta Bianca da Hora, a marcenaria entre a cozinha e o jantar tem uma janela que no dia a dia, é fechada por painel deslizante para esconder o fogão, a fim de evitar cheiros fortes e até respingos pelo apartamento (Foto: Denilson Machado / MCA Estúdio / Divulgação)

10. Mostra-esconde
Para o casal que gosta de receber em casa, a marcenaria entre a cozinha e o jantar tem uma janela (abaixo) que permite a comunicação entre o cozinheiro da vez e os que estão na sala. No dia a dia, ela é fechada por painel deslizante para esconder o fogão, a fim de evitar cheiros fortes e até respingos pelo apartamento (acima). “A sala é toda envelopada com carvalho natural. Criamos os painéis ripados com a mesma madeira usada na bancada da cozinha”, conta a arquiteta Bianca da Hora, que assina o projeto. Com cerca de 10 cm de profundidade, os nichos abaixo da bancada exibem objetos decorativos. A marcenaria foi executada Hubel Móvel.LEIA MAIS

Quando o casal recebe em casa, a janela aberta permite a comunicação entre o cozinheiro da vez e os que estão na sala (Foto: Denilson Machado / MCA Estúdio / Divulgação)

“Painéis ripados e estruturas deslizantes substituem a alvenaria com mais leveza.””

O painel vazado desenhado pela arquiteta Patrícia Netto separa o hall do living. A peça é de freijó com acabamento de verniz fosco e foi executada pela Versátil Marcenaria (Foto: Denilson Machado / MCA Estúdio / Divulgação)

11. Entrada de impacto
No projeto de reforma deste apê, o grande pedido feito para a arquiteta Patrícia Netto foi a criação de uma entrada imponente que preservasse a visão dos móveis da sala. Por isso, ela desenhou o painel vazado de freijó com acabamento de verniz fosco para separar o hall do living. A madeira ajuda a aquecer a paleta de base neutra com pontos de azul. A estrutura, que ocupa a altura de 2,50 m do pé-direito, foi executada pela Versátil Marcenaria.

“A permeabilidade dos painéis ajuda a definir ambientes integrados, sem barrar a passagem de luz e a ventilação.””

Uma caixa de freijó lavado com 15 cm de profundidade recebeu os criados-mudos encaixados e emoldura a cabeceira revestida de linho. Projeto da arquiteta Ana Cano Milman, com execução da Marcenaria Lacca (Foto: Dhani Borges / Divulgação)

12. Moldura dos sonhos
O vão de gesso no teto não é o único elemento que emoldura esta cama de casal. No projeto da arquiteta Ana Cano Milman, o painel de drywall, 1,60 x 1,80 m, na cor Prata Fosco, da Suvinil, tem uma caixa de freijó lavado com 15 cm de profundidade. Nela estão encaixados os criados-mudos e a cabeceira revestida de linho. “A maior dificuldade foi casar o painel com a madeira e o móvel”, destaca a arquiteta. Para facilitar a leitura, um fio de LED fica instalado dentro da caixa. Execução pela Marcenaria Lacca.

Os gavetões receberam puxadores de cerâmica da artesã Deuzani Gomes dos Santos, do Vale do Jequitinhonha para dar identidade à cozinha da designer Maria Fernanda Paes de Barros, da Yankatu (Foto: Evelyn Müller / Divulgação)

13. Artesanato com emoção
“Eu tenho duas paixões: madeira maciça e artesanato”, revela a designer Maria Fernanda Paes de Barros, da Yankatu. Para incorporar sua identidade à cozinha, ela usou peças de cerâmica da artesã Deuzani Gomes dos Santos, do Vale do Jequitinhonha, como puxadores nos gavetões dos armários. “Ela me recebeu no Vale e serviu o tipo de comida que abraça. Quis trazer um pouco dela para minha casa”, conta. A marcenaria de jequitibá-rosa maciço, executada por Carlo Calarò, da Anciermo, emoldura os nichos feitos de MDF, revestidos de chapa de resina Fenix NTM, o mesmo material da bancada. Tudo é pensado estrategicamente: o tamanho dos armários foi calculado para determinados utensílios. Já para separar o calor do fogão da geladeira, um nicho vertical mede exatamente a largura da viga estrutural.

O painel de ripas arredondadas de jequitibá esconde portas, gavetas e outros compartimentos do armário de MDF, enquanto o nicho central faz as vezes de elemento decorativo. Projeto do escritório Todos Arquitetura, com execução da marcenaria Maria Joaquina (Foto: Lufe Gomes / Divulgação)

14. Armário secreto
O painel de ripas arredondadas de jequitibá esconde portas, gavetas e outros compartimentos do armário de MDF, que compõe a parte burocrática do home office integrado à sala. À esquerda, a porta para a área íntima também fica camuflada na estrutura, desenhada pelo escritório Todos Arquitetura e executada pela marcenaria Maria Joaquina. O nicho central é apenas um elemento decorativo. “Esse painel serve para acoplar itens funcionais e, ao mesmo tempo, decora”, afirma a arquiteta Lais Delbianco. “Nós queríamos uma leitura única e limpa do painel, sem interferências de gaveta, puxadores e portas”, acrescenta.

Para expor as obras de arte do morador, as arquitetas Cristina e Laura Bezamat criaram o painel de freijó, que dá ar de galeria ao living (Foto: Denilson Machado / MCA Estúdio / Divulgação)

15. Galeria de arte
Para expor as obras de arte do morador, as arquitetas Cristina e Laura Bezamat criaram o painel de freijó, que mede 2,85 x 2,17 m e dá ar de galeria ao living. “A madeira recebeu um tingimento de verniz que a deixa escura. Na parte de baixo, usamos um ripado para valorizar o material”, conta Cristina. Um fio de LED embutido na parte mais alta do painel destaca os quadros. Para unir as superfícies do cômodo, elas usaram um papel de parede cinza com textura, que também cobre a viga de concreto acima do painel.

A arquiteta Ana Yoshida envolveu a entrada do apartamento com painéis de MDF revestidos de lâminas de freijó para integrá-la ao hall do elevador (Foto: Evelyn Müller / Divulgação)

16. Hall que abraça
A entrada do apartamento era marcada por um volume retangular. Na reforma, a arquiteta Ana Yoshida envolveu a área com painéis de MDF revestidos de lâminas de freijó. “A ideia foi integrar o hall do elevador ao corredor de entrada”, diz. A porta para o lavabo fica escondida à direita, com puxadores esculpidos na mesma madeira. O teto rebaixado forma uma sanca com luz embutida que valoriza o ripado da estrutura, executada pela Madeirart.

A porta camarão feita com painéis de muxarabi permite conexão entre a cozinha e a sala do apartamento reformado pelo arquiteto Gabriel Garbin (Foto: Evelyn Müller / Divulgação)

17. Divisória permeável
A porta camarão permite uma conexão entre a cozinha e a sala no apartamento reformado com projeto do arquiteto Gabriel Garbin. “Mesmo quando está totalmente fechada, há permeabilidade, porque a luz e o ar passam pelos painéis de muxarabi”, explica o arquiteto. Feita de freijó com acabamento de verniz fosco pela Marcenaria Neves, a estrutura fica presa às esquadrias de alumínio. Quando aberta, revela uma bancada entre os armários com acabamento de laca verde da Bontempo.

“A madeira ripada destaca o material, a lisa é mais neutra, e a mistura das duas pode ser cheia de estilo.””

Cama de tauari que serve de sofá, estante com nichos e área fechada são elementos que permitem múltiplas funções para a varanda, que é usada como quarto de hóspedes e espaço de descanso para a moradora (Foto: Alexandre Disaro / Divulgação)

18. Espaço múltiplo
varanda fechada por painéis de vidro deste apartamento assume outras funções, dependendo da ocasião: é usada como quarto de hóspedes e também como espaço de descanso para a moradora. Por isso, a cama de tauari serve de sofá para leitura. “Assim, a varanda não fica limitada como área para receber”, afirma Lais Delbianco, do escritório Todos Arquitetura. Junto à parede há uma estante com nicho revestido de tauari no fundo e um armário fechado com acabamento de laca. Todas as peças, incluindo a cama, foram executadas pela marcenaria Maria Joaquina.

Write a Reply or Comment

Your email address will not be published.